account icon arrow-left-long icon arrow-left icon arrow-right-long icon arrow-right icon bag-outline icon bag icon cart-outline icon cart icon chevron-left icon chevron-right icon cross-circle icon cross icon expand-less-solid icon expand-less icon expand-more-solid icon expand-more icon facebook-square icon facebook icon google-plus icon instagram icon kickstarter icon layout-collage icon layout-columns icon layout-grid icon layout-list icon link icon Lock icon mail icon menu icon minus-circle-outline icon minus-circle icon minus icon pinterest-circle icon pinterest icon play-circle-fill icon play-circle-outline icon plus-circle-outline icon plus-circle icon plus icon rss icon search icon shopify icon snapchat icon trip-advisor icon tumblr icon twitter icon vimeo icon vine icon yelp icon youtube icon
Carrinho (0)
Adicionados recentemente
0 Item Total R$ 0,00

Não disponível

Carrinho (0)

Adicionados recentemente

0 Itens

Total R$ 0,00

Não disponível

Tem sol? Pois vamos cozinhar com ele!

posted 2019 Mar by

Sol no céu, comida na panela e pés no chão: Ana Claudia, Mary e Teresa desenvolveram o que há de melhor em matéria de bom, bonito e barato. Tem sol? Pois vamos cozinhar com ele.

Qualquer um faz, basta ter caixas de papelão, papel de alumínio, fita adesiva, tesoura – parece brincadeira de criança, e é brincando e rindo que elas foram desenvolvendo o projeto do fogão solar, criando receitas, ensinando o pessoal dos acampamentos, das roças, da cidade ensolarada. Doces, salgados, secos e molhados: para tudo ele serve. Do cozido à feijoada, do peixe com ervas à moqueca de ostra. Sopa de frutas. Pé-de-moleque. É ver para crer.

Se preparar comida já é um movimento mágico, transformador, cozinhar usando simplesmente a luz do sol é mais mágico ainda. Esse fogão marca território na contramão de tudo quanto é mais valorizado pela sociedade de consumo, com sua tecnologia de aço inox e microchips. É o simples e fácil em ação. Não está nada distante dos primeiros processos de cozimento que permitiram ao ser humano aproveitar os grãos duros e as raízes secas. Até então, o sólido se comia e o líquido se bebia. Foi o calor que  juntou os dois para obter uma terceira coisa mais apetitosa. E que prazer nos dá um comida quente!

O calor do sol cozinha mais devagar. As moléculas dos alimentos se mexem menos do que nas altas temperaturas. Os nutrientes ficam mais preservados. Não é preciso ficar mexendo, e tem o seguinte: a comida não queima.

As receitas, testadas e aprovadas, são de dar água na boca. O sotaque nordestino aparece no uso dos temperos e do indispensável leite de coco, refletindo a cultura tradicional de Sergipe, onde se come muito bem.

Não acreditem no que eu estou dizendo. Leiam o livro, experimentem, façam seu fogãozinho. Trata-se sim de economizar lenha, gás e eletricidade. Mas trata-se também de algo mais sutil – de nos reconectarmos às raízes da civilização em pleno século 21, com ótimos resultados. Isso dá prazer e felicidade. E o sol, afinal, é de todos.

Informações pelo email cozinharcomsol@vital.srv.br .

Comments

Leave a comment