account icon arrow-left-long icon arrow-left icon arrow-right-long icon arrow-right icon bag-outline icon bag icon cart-outline icon cart icon chevron-left icon chevron-right icon cross-circle icon cross icon expand-less-solid icon expand-less icon expand-more-solid icon expand-more icon facebook-square icon facebook icon google-plus icon instagram icon kickstarter icon layout-collage icon layout-columns icon layout-grid icon layout-list icon link icon Lock icon mail icon menu icon minus-circle-outline icon minus-circle icon minus icon pinterest-circle icon pinterest icon play-circle-fill icon play-circle-outline icon plus-circle-outline icon plus-circle icon plus icon rss icon search icon shopify icon snapchat icon trip-advisor icon tumblr icon twitter icon vimeo icon vine icon yelp icon youtube icon
Carrinho (0)
Adicionados recentemente
0 Item Total R$ 0,00

Não disponível

Carrinho (0)

Adicionados recentemente

0 Itens

Total R$ 0,00

Não disponível

Príons

posted 2019 Apr by

CAPÍTULO 11 do Almanaque de Bichos que dão em Gente

São novidade absoluta. Como se já não bastassem vermes, bactérias, fungos, vírus e ainda rickéttsias, um novo tipo de agente infeccioso foi identificado recentemente: o príon, proteína que existe normalmente nas células e pode sofrer modificações estruturais capazes de produzir doenças degenerativas chamadas encefalopatias espongiformes transmissíveis, fatais em animais e humanos. Essa hipótese, embora ganhadora do prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina em 1997, tem causado a maior polêmica: os príons seriam os primeiros agentes infecciosos a não conter material genético (DNA ou RNA). O mal da vaca-louca, em que o cérebro dos animais fica esponjoso, seria causado pelos príons.

Príon é abreviatura de “proteinaceous infectious particle”, partícula proteinácea infecciosa. Em sua forma normal, essa proteína, cuja função é desconhecida, se localiza na superfície das células no cérebro de mamíferos e pássaros. Só quando está na configuração aberrante é que causa doença, infectando o cérebro, onde se multiplica aliciando proteínas benignas. Como? Bem, isso ainda não está claro para os bioquímicos – talvez contando com algum fator adicional, possivelmente outra proteína presente.

Até onde se sabe, a proteína é feita de uma série de espirais flexíveis chamadas hélices alfa. Na proteína aberrante, algumas dessas hélices estão completamente alteradas e não podem ser digeridas pelas enzimas celulares; acumulam-se nas células nervosas e as destroem.

Quatro infecções humanas por príons foram estudadas até agora: mal de Creutzfeldt-Jakob, mal de Gerstmann-Sträussler-Scheinker, demências e insônias familiares fatais, oriundas de degeneração do tálamo. Hoje em dia certos sintomas psiquiátricos estão sendo observados à luz dos príons: mudanças súbitas de comportamento e personalidade, estados emocionais alterados, depressão, dificuldade para dormir, retração, medo e paranóia, por exemplo, podem ser causados por uma infecção cerebral. Na versão humana do mal da vaca-louca, que deixa o cérebro esponjoso e esburacado como um queijo suíço, as pessoas desenvolvem anomalias motoras, não conseguem manter o equilíbrio; às vezes sentem muita dor só de serem tocadas no rosto, nos braços ou nas pernas; os pés podem doer muito; não há tratamento, e as vítimas morrem em média um ano depois dos primeiros sintomas.

O príon pode ser adquirido por contágio ou emergir de uma mutação hereditária. Os pesquisadores suspeitam de que desordens neurovegetativas como mal de Alzheimer e Parkinson podem ter origem em processos moleculares semelhantes.

____________________________________________________________________________

capítulos online

1: VERMES? MELHOR NÃO TÊ-LOS!

2: A VIDA COMENDO SOLTA

3: NÓS, ELES, SINTOMAS E REAÇÕES

4: ONDE É A FESTA E QUEM FAZ

5: ANEMIA, INFECÇÃO E INFLAMAÇÃO

6: MAS E A IMUNIDADE, NADA?

7: BACTÉRIAS

8: FUNGOS

9: VÍRUS, DENGUE E OUTRAS FEBRES

10: RICKÉTTSIAS

11: PRÍONS

12: VERMES: ASQUELMINTOS NEMATÓDEOS

ÁSCARIS, OXIÚROS, ANCILÓSTOMOS, LARVA MIGRANS, FILÁRIAS, DIROFILÁRIAS, ONCOCERCOS, ANISAKIS, TRIQUINAS, TRICUROS, ESTRONGILÓIDES

13: VERMES: PLATELMINTOS TREMATÓDEOS

ESQUISTOSSOMAS, FASCÍOLAS, CLONORQUIS, PARAGONIMUS, EURITREMAS

14: VERMES: PLATELMINTOS CESTÓDEOS

TÊNIAS, CISTOS HIDÁTICOS, ESPARGANAS, DIPLOGONOPORUS, DIPILÍDIOS, HIMENOLEPIS, BOTRIOCÉFALOS

15: PROTOZOÁRIOS

AMEBAS, GIÁRDIAS, TRICOMONAS, TRIPANOSSOMAS, LEISHMÂNIA, MALÁRIA, TOXOPLASMAS, CRIPTOSPORÍDEOS, COCCÍDEOS, SARCOCISTOS, CLAMÍDIA, BALANTÍDEOS

Comments

Leave a comment