account icon arrow-left-long icon arrow-left icon arrow-right-long icon arrow-right icon bag-outline icon bag icon cart-outline icon cart icon chevron-left icon chevron-right icon cross-circle icon cross icon expand-less-solid icon expand-less icon expand-more-solid icon expand-more icon facebook-square icon facebook icon google-plus icon instagram icon kickstarter icon layout-collage icon layout-columns icon layout-grid icon layout-list icon link icon Lock icon mail icon menu icon minus-circle-outline icon minus-circle icon minus icon pinterest-circle icon pinterest icon play-circle-fill icon play-circle-outline icon plus-circle-outline icon plus-circle icon plus icon rss icon search icon shopify icon snapchat icon trip-advisor icon tumblr icon twitter icon vimeo icon vine icon yelp icon youtube icon
Carrinho (0)
Adicionados recentemente
0 Item Total R$ 0,00

Não disponível

Carrinho (0)

Adicionados recentemente

0 Itens

Total R$ 0,00

Não disponível

PARA MASTIGAR BEM, APOIE OS PÉS

posted 2018 Dec by

Tempos atrás fui consultar a fonoaudióloga Carol Lamin, especializada nos músculos da face, para saber mais sobre um tremor que me apareceu na boca. Ela me aplicou alguns testes, incluindo a inesperada mastigação de um saboroso pão de queijo, depois calçou uma luva de borracha, pegou minha bochecha por fora e por dentro e tocou no ponto certo: um músculo muito tenso, o masséter, e outro muito flácido, o bucinador. Os dois envolvidíssimos com a mastigação, como não poderia deixar de ser.

“Mas eu sou uma pessoa que mastiga direitinho”, pensava eu enquanto ela ia mostrando mapas de anatomia e me explicava a complexidade da ATM, articulação temporomandibular, em detalhes. E eis que de repente uma frase me capturou:

– A criança que começa a mastigar sem ter os pezinhos bem apoiados fica propensa a mastigar de modo irregular, causando mais tensão e desequilíbrio nos músculos faciais, o que na idade madura pode dar em flacidez, tremor, engasgos…

Gente! Olhei para meus pés e eles estavam a uns cinco centímetros do chão, para variar. Sou baixinha e raramente consigo estar apoiada no encosto da cadeira e no chão ao mesmo tempo. Como acontece com  crianças em geral e bebês começando a mastigar! E não foi assim a vida toda, perninhas balançando?

Logo lembrei das primeiras sessões  de uma psicoterapia de base corporal chamada Experiência Somática, em que Nelly, a terapeuta, passava os primeiros minutos se certificando de que eu estava bem sentada. Como está sentindo seus pés? Quer uma almofada mais alta no chão? E os braços? E as costas? Está se sentindo confortável? Está bem apoiada?

Apoio: o que serve para amparar, firmar, sustentar alguém ou alguma coisa. Auxílio, amparo, ajuda.

Pés: estruturas complexas na extremidade das pernas que atuam como suporte para o corpo e para a locomoção.

Sua criança se alimenta com os pezinhos bem apoiados?

Palavras de Carol, que atualmente trata de rejuvenescer a musculatura facial de quem não cuidou disso antes:

– Tão importante quanto o que você come é a maneira de comer. Mastigar consome em média 1 hora por dia, contando todas as refeições, taí a importância de se realizar isso adequadamente. Caso contrário, é uma hora por dia dedicada a uma piora gradual da estética da face e, a longo prazo, ao comprometimento de sua funcionalidade.

Ela diz que a maior parte das pessoas se alimenta sem consciência do que está fazendo e quando vê, já engoliu. Dá algumas dicas que podem fazer diferença:

  • Olhe para o alimento, perceba suas cores, formas, texturas
  • Sinta o cheiro do alimento. O olfato é muito importante, pois envia ao cérebro as informações necessárias para que se produzam enzimas que atuam na digestão
  • Não se alimente sem fome. Devemos distinguir fome de verdade de fome emocional. Todo alimento ingerido sem fome não será bem metabolizado e se tornará uma toxina
  • Não coma sentindo raiva, nem quando estiver irritado, deprimido ou ansioso, e evite discussões durante as refeições
  • Não coma logo após o exercício físico. Espere pelo menos 30 minutos
  • Mastigue devagar. Deixe o alimento na boca o maior tempo possível para ajudar o organismo a facilitar a digestão através de uma trituração eficiente
  • Observe se o alimento está indo para os dois lados da arcada dentária
  • Certifique-se de que suas estruturas faciais estão aptas a realizar uma mastigação eficiente. O fonoaudiólogo pode ajudar nessa avaliação.

Site da Carol: www.avidaquantica.com

Comments

Leave a comment