account icon arrow-left-long icon arrow-left icon arrow-right-long icon arrow-right icon bag-outline icon bag icon cart-outline icon cart icon chevron-left icon chevron-right icon cross-circle icon cross icon expand-less-solid icon expand-less icon expand-more-solid icon expand-more icon facebook-square icon facebook icon google-plus icon instagram icon kickstarter icon layout-collage icon layout-columns icon layout-grid icon layout-list icon link icon Lock icon mail icon menu icon minus-circle-outline icon minus-circle icon minus icon pinterest-circle icon pinterest icon play-circle-fill icon play-circle-outline icon plus-circle-outline icon plus-circle icon plus icon rss icon search icon shopify icon snapchat icon trip-advisor icon tumblr icon twitter icon vimeo icon vine icon yelp icon youtube icon
Carrinho (0)
Adicionados recentemente
0 Item Total R$ 0,00

Não disponível

Carrinho (0)

Adicionados recentemente

0 Itens

Total R$ 0,00

Não disponível

Conversa sobre a macrobiótica

posted 2019 Mar by

Recebo e-mail de Teresa Belo, Lisboa:

Aproveito para colocar uma questão relativamente à alimentação, eu sou macrobiótica num regime não muito rígido mas, como tal tento limitar o consumo dos alimentos mais Yin, especialmente os de origem tropical. Qual é a opinião da Sónia sobre estas limitações? E na sua opinião quais as adaptações que devo introduzir às suas receitas?

Desculpe a pergunta mas como estamos em climas diferentes, em hemisférios diferentes, … e como não tinha tido ainda a oportunidade de dialogar com alguém desse lado do mundo sobre esta matéria quis aproveitar…

Respondo:

Acho muito apropriada a restrição que a macrobiótica faz ao que considera muito yin, que são as frutas, certos vegetais e preparados doces em geral. Mas também não precisa levar a extremos, e esse é o aprendizado. A base da minha alimentação (e do meu estudo) é a macrô e, ao longo dos anos, tenho tido oportunidade de confirmar o acerto dessas restrições – como? Comendo o proibido. E percebendo sua ação no meu corpo.

Claro que devem ser levadas em conta as diferenças pessoais. Alguém que tenha muita atividade física pode se equilibrar com frutas ou sucos, especialmente num dia quente, enquanto alguém que trabalha em escritório com ar refrigerado pode se resfriar por causa do mesmo suco.

Minha opinião hoje é que se deve limitar também a quantidade de cereais integrais e consumir mais vegetais frescos e coloridos, sempre com uma pequena porção de produto animal. Por quê? Porque vivemos num mundo cheio de cargas eletromagnéticas, sujeitos o tempo todo a influências energéticas estressantes e pessoas estressadas, e um pouco mais de energia animal nos ajuda a criar solidez, fornecendo inclusive vitamina B12 para o sistema nervoso. A macrô prevê isso como 5 a 15% do prato. Considero correto.

A redução dos cereais ajuda a equilibrar uma refeição que inclui proteína animal e ao mesmo tempo evita o estado de inflamação crônica produzido pelo excesso de carboidratos. Quanto mais carboidrato se ingere, mais o corpo pede.

Muito cuidado com a soja, que é imprópria para consumo se não for fermentada. Tofu, uma ou duas vezes por mês. (Você pode ler mais sobre a soja em http://www.correcotia.com/extras .)

Pedi licença para reproduzir a conversa aqui e ela deu. Valeu, Teresa!

Comments

Leave a comment