ninfa e fauno
livros de sonia hirsch | BLOG | EXTRAS | CONTATO | COMPRAR | HOME

Almanaque de Bichos que dão em Gente

INDEX

SUMÁRIO

SINTOMAS

ALHO

LARVA

ATUALIZAÇÕES

 

PESQUISA ESCOLAR

1: VERMES? MELHOR NÃO TÊ-LOS!

2: A VIDA COMENDO SOLTA

3: NÓS, ELES, SINTOMAS E REAÇÕES

4: ONDE É A FESTA E QUEM FAZ

5: ANEMIA, INFECÇÃO E INFLAMAÇÃO

6: MAS E A IMUNIDADE, NADA?

7: BACTÉRIAS

8: FUNGOS

9: VÍRUS, DENGUE E OUTRAS FEBRES

10: RICKÉTTSIAS

11: PRÍONS

12: VERMES: ASQUELMINTOS NEMATÓDEOS

13: VERMES: PLATELMINTOS TREMATÓDEOS

14: VERMES: PLATELMINTOS CESTÓDEOS

15: PROTOZOÁRIOS

 

 

 

CAPÍTULO 15: PROTOZOÁRIOS
AMEBAS, GIÁRDIAS, TRICOMONAS, TRIPANOSSOMAS, LEISHMÂNIA, MALÁRIA, TOXOPLASMAS, CRIPTOSPORÍDEOS, COCCÍDEOS, SARCOCISTOS, CLAMÍDIA, BALANTÍDEOS

AMEBAS
Entamoeba hystolitica

As amebas são uma grande família de unicelulares que gostam de humanos. Entamoeba hartmanni, Entamoeba coli e Endolimax nana são comensais do intestino grosso; Entamoeba gingivalis vive serenamente nas gengivas e no tártaro dentário de macacos, cães e humanos; e Entamoeba histolytica é o parasita intestinal que causa problemas sérios – pode destruir os tecidos que revestem o intestino grosso e provocar lesões graves em vários órgãos.

Passa de pessoa para pessoa através de cistos e é disseminada também por moscas e baratas. Frutas e vegetais crus, manipulados por pessoas infectadas, lavados em água contaminada ou fertilizados com fezes humanas, certamente estão cheios de amebas; elas também podem vir dos canos de banheiros velhos e sujos, das notas de dinheiro, do papel do pão.

Muita gente hospeda amebas sem sentir nada. Quando há sintomas, os mais comuns são diarréia que pára e volta, podendo alternar com prisão de ventre; cólicas e vontade de evacuar, mas não sai nada; fezes moles e fedidas, com muito muco, às vezes com sangue; gases, fadiga, dores musculares; raramente, febre. A infecção é mais virulenta se o hospedeiro estiver subnutrido e se consumir muito amido (cereais, mesmo integrais, pão, massas, farinhas, batatas). A presença de bactérias também é um fator fundamental para o desenvolvimento da doença.

A fase minuta das amebas, em que são muito pequenas, é aguda e se caracteriza por diarréia com sangue e muco. Isso porque, quando o hospedeiro está fragilizado ou há alterações na flora intestinal, as amebas começam a comer a submucosa do intestino grosso, geralmente as curvinhas do cólon de um lado e outro da cintura.

Essa fase aguda dá lugar a outra, magna, crônica, em que as amebas vão continuamente formando cistos em torno de si mesmas e se dividindo em quatro outras amebas, todas instaladas na submucosa intestinal, abrindo úlceras de vários tamanhos que só cicatrizam depois do tratamento. Na fase crônica há poucos sintomas, geralmente vagas dores abdominais, com ou sem diarréia de vez em quando; essa fase pode durar muitos anos, com a ameba produzindo enorme quantidade de cistos – quatro que vão se multiplicando por quatro infinitamente e muito rápido.

Não raro as amebas entram na circulação sanguínea e acabam invadindo pâncreas, pulmões, cérebro, fígado e pele; deixam áreas necrosadas conhecidas como "abscessos amebianos". As seqüelas podem incluir ainda infecção do pericárdio, a membrana que reveste o coração, e infestação do períneo.

Como a disenteria amebiana é muito parecida com a bacteriana, o diagnóstico costuma ser difícil. Na dúvida, é bom tratar ambos. A recomendação para fases agudas é seguir uma dieta rica em proteínas e pobre em fibras e carboidratos, e tomar muito líquido.

Detalhe: quando o hospedeiro está tomando antibióticos, a produção de cistos amebianos desaparece e só volta algum tempo depois, quando a flora bacteriana é restabelecida.

GIÁRDIAS
Giardia intestinalis

Atende também por Giardia lamblia e Lamblia intestinalis e é um parasita muito comum no intestino humano. Pudera: uma pessoa infectada elimina, pelas fezes, entre 300 milhões e 14 bilhões de cistos infectantes por dia. Sempre? Não. Há períodos de 7 a 10 dias em que não sai nada, justamente quando o hospedeiro resolve fazer um exame de fezes. Daí a importância de repetir exames que dão resultado negativo.

A giárdia se transmite através de água contaminada por fezes que contêm cistos; estes amadurecem no intestino delgado e os parasitas se agarram na mucosa. Embora não invadam os tecidos, como as amebas fazem no intestino grosso, se a infestação for grande os parasitas vão cobrir grande parte do revestimento intestinal.

Se o hospedeiro já tiver alguma imunidade desenvolvida contra giárdia, pode viver infectado para sempre sem desenvolver a giardíase. Que geralmente surge de uma a três semanas após a ingestão dos cistos e apresenta diarréia amarelada (com eliminação de gordura), dores abdominais, falta de apetite, insônia, irritabilidade, emagrecimento e sinais de deficiência de vitaminas A, E, D e K. Segundo Nilo Cairo, médico, em seu Guia de Medicina Homeopática, a dor de cabeça é um sintoma constante da giardíase. Ele observa que "há diarréia quando os flagelados multiplicam-se rapidamente sob forma vegetativa, e, ao contrário, uma prisão de ventre quando enquistados. As fezes são envernizadas por um muco tanto mais abundante quanto mais intensa a infestação".

A giárdia afeta mais crianças e adolescentes do que adultos. Ferver a água e cozinhar os alimentos destrói os cistos, e filtros de vela conseguem retê-los.

TRICOMONAS
Trichomonas vaginalis

Tricomoníase é uma infecção ou inflamação causada por um minúsculo parasita, Trichomonas vaginalis, que vive no trato geniturinário inferior de homens e mulheres e é transmitido por contato sexual. Afeta vagina, uretra, bexiga e próstata. Os homens em geral não apresentam sintomas; nas mulheres o sinal mais evidente de inflamação é um corrimento fedido que costuma aparecer alguns dias depois da menstruação. Também surgem dores, coceira e vermelhidão em toda a vulva, e urinar pode ser doloroso. O parasita pode viver anos a fio na pessoa sem causar incômodo, desde que as defesas do organismo estejam bem. Quando há alguma queda nas taxas de imunidade ele cresce e aparece.

Em 1995, um estudo da Universidade de Singapura constatou uma fortíssima relação entre tricomonas e câncer. Entre 121 mulheres com câncer de colo de útero, 50 tinham tido ou estavam com tricomoníase; entre 242 sem câncer, apenas 12 tinham história de tricomonas.

MAL DE CHAGAS / TRIPANOSSOMAS
Trypanosoma cruzi

Existem várias espécies de tripanossomas, mas só o T. cruzi causa a tripanossomíase ou mal de Chagas, que tem esse nome por ter sido estudado por um cientista brasileiro, Carlos Chagas. Ataca humanos, caninos, felinos e roedores, e pode viver dentro das células (amastigota) ou livre no sangue (tripomastigota).

É transmitido por cerca de 30 besouros da subfamília Triatoma, o barbeiro, bicho-barbeiro, bicho-de-frade, bicho-de-parede, bicudo, cascudo, chupança, chupão, chupa-pinto, fincão, furão, gaudério, percevejão, percevejo-do-sertão, percevejo-gaudério, procotó, rondão, vunvum, que se alimenta de sangue e ao mesmo tempo defeca em quem lhe dá de comer. Junto com o sangue ele ingere os projetos de parasita, que dentro do besouro se reproduzem assexuadamente e saem pelas fezes enquanto o besouro se alimenta no hospedeiro.

As tripomastigotas metacíclicas entram no corpo do hospedeiro através do buraquinho que o besouro faz ou pelas membranas mucosas da boca, do nariz e dos olhos. No hospedeiro, o mal de Chagas afeta primeiro o sistema nervoso e o coração. Infecções crônicas produzem várias desordens neurológicas, incluindo demência, além de danificar o músculo cardíaco e provocar grande dilatação do cólon e do esôfago. Sem tratamento, a infecção é fatal.

Um primo africano do T. cruzi, T. gambiense, causa a doença do sono, transmitida pela mosca tsé-tsé, uma dentre muitas Glossinae, quase todas transmissoras de parasitas.

MALÁRIA
Plasmodium vivax, ovale, falciparum e malariae

Infecção importante e difícil de tratar, recorrente, típica de regiões tropicais e subtropicais, caracterizada por ataques periódicos de calafrios e febre, anemia, aumento do baço e complicações freqüentemente fatais. Afeta as células e os vasos sanguíneos, o fígado, o sistema nervoso central (incluindo cérebro, meninges e medula espinhal) e nervos periféricos. Dá também em gorilas, macacos, ratos, pássaros e répteis. É causada por várias espécies de plasmódios, parasitas do gênero Plasmodium, que são transmitidos aos humanos por mosquitos Anofeles, dos quais existem mais de 60 tipos pelo mundo afora; distingue-se o anofelino dos outros mosquitos porque ele pousa como se fosse um prego espetado, o que lhe vale o nome de mosquito-prego. Plasmodium vivax produz a forma mais disseminada da doença, e P. falciparum é o que causa os sintomas mais severos.

Malária é uma das infecções mais antigas do mundo. Seu território, bem delimitado: lugares quentes e úmidos da América Latina, Ásia e África, onde o mosquito tem facilidade de se desenvolver. Cinco mil anos atrás já era conhecida no Egito, e até hoje não se conseguiu grandes avanços contra ela. Estimativas recentes apontam 1,5 bilhão de pessoas vivendo em áreas onde a doença é endêmica, 500 milhões de pessoas infectadas e 1 a 2 milhões de mortes por ano. No Brasil ela é comum na região norte, sobretudo na Amazônia.

O ciclo da malária exige um hospedeiro intermediário específico, que é a mosquita anofelina. Ela precisa de sangue para fertilizar seus ovos, e ao sugar uma pessoa infectada ingere os plasmódios. Alguns deles são sexuados e se acoplam dentro do estômago da mosquita, formando um ovo cheio de larvinhas que nascem e passam através da saliva (da mosquita) para a pessoa seguinte que ela picar.

Nessa vítima as larvas têm um outro ciclo de reprodução, assexuado. Depois de atravessar a pele o parasita entra na corrente sanguínea, invade um glóbulo vermelho do sangue, sofre duas transformações e se divide em formas menores chamadas merozoítos. Aí a célula sanguínea se rompe, soltando os merozoítos no sangue e causando a febre e os calafrios. Os merozoítos invadem outros glóbulos vermelhos e o ciclo se repete.

O primeiro ataque acontece entre 8 e 25 dias após a picada. Os ataques de malária duram poucas horas ou até um dia inteiro e têm três estágios: primeiro tremores e calafrios (quando os glóbulos vermelhos estão arrebentando), depois febre altíssima e finalmente um suor abundante, que faz a temperatura voltar ao normal.

Nos primeiros dias da infecção há ataques todos os dias, depois a cada dois ou três dias, e podem continuar por anos a fio se não for feito o tratamento. As pessoas ficam anêmicas e muito fracas, o baço aumenta (é o órgão responsável por eliminar do sangue as células degeneradas) e muitas outras complicações afetam a pessoa. Por exemplo, os glóbulos parasitados tendem a se aglomerar e bloquear pequenos vasos sanguíneos. Outros sintomas são dor de cabeça, fadiga, náusea.

Crianças e adultos subnutridos ou de baixa imunidade não sobrevivem à malária.

O tratamento, à base de quinina, é extremamente tóxico mas costuma dar resultado em duas semanas – o que não impede a infecção de voltar mais tarde. A quinina, extraída da casca de uma árvore chamada cinchona, é usado desde 1700 para aliviar as febres da malária. Outras drogas foram desenvolvidas neste século, mas o parasita desenvolveu resistência a todas elas e a incidência de malária vem aumentando continuamente.

A prevenção externa se faz combatendo o mosquito com inseticidas, secando pântanos e evitando águas paradas de qualquer tamanho (de lagos e piscinas a pratinhos de plantas); o mosquiteiro e as telas de janela também são importantes, pois a mosquita pica mais à noite.

A prevenção interna se faz comendo inhame (o pequeno, cabeludo, também chamado de inhaminho ou inhame chinês), que tem uma substância que impede a sobrevivência do parasita no sangue.

O inhame é nativo dos mesmos lugares quentes e úmidos da América Latina, Ásia e África onde a malária é endêmica. Em suas diversas formas, era alimento cotidiano da maioria da população que sobreviveu nessas paragens. Aldeias inteiras da África morreram de malária quando os ingleses foram lá plantar seringueiras para fazer borracha e acabaram com as roças de inhame.

LEISHMÂNIA
Leishmania spp.

São protozoários que infectam muitos vertebrados, incluindo humanos, cachorros e roedores. Quem transmite o parasita é uma mosquinha do gênero Lutzomyia, dentro da qual o parasita se reproduz assexuadamente; já no humano, entra numa célula e se reproduz de novo, e quando essa célula morre os parasitas são liberados e infectam muitas outras. Os sintomas e a patologia da leishmaniose resultam dessa matança de células.

Há três formas principais de leishmaniose, que dependem tanto da espécie que ataca quanto das defesas do hospedeiro. Uma é cutânea, produz erupções pequenas ou grandes na pele dos pés, pernas, mãos ou rosto, e geralmente sara sozinha em alguns meses. Outra é mucocutânea, também chamada espúndia. Pode afetar as membranas mucosas da boca e do nariz destruindo lábios, garganta, palato e laringe e produzindo deformações horríveis. A terceira é visceral, também chamada calazar; invade fígado, baço, medula óssea; os sintomas aparecem dois meses ou mais depois da infecção e incluem febre, redução na taxa de glóbulos brancos, perda de peso e aumento do fígado e do baço.

Se não forem tratadas, tanto a forma visceral quanto a mucocutânea podem matar.

A ocorrência é principalmente nas Américas Central e do Sul, África Central e partes do sul e do centro da Ásia, mas pode dar no mundo inteiro. No Brasil, a doença já foi conhecida como úlcera de Bauru.

TOXOPLASMA
Toxoplasma gondii

Toxoplasma gondii existe em todos os lugares do mundo e infecta a grande maioria dos mamíferos e das aves. Como a maioria dos apicomplexos, toxoplasma é um parasita intracelular compulsório. Seu ciclo de vida tem duas fases. A primeira é intestinal, só ocorre em gatos (selvagens ou domésticos) e produz oocistos. A segunda é extra-intestinal, ocorre em todos os animais infectados (inclusive gatos) e produz taquizoítos, bradizoítos ou zoitocistos que infectam a carne.

Pode ser transmitida através de alimentos contaminados por oocistos presentes nas fezes dos gatos ou, mais freqüentemente, por bradizoítos em carne crua ou mal cozida. Na maioria dos humanos infectados a toxoplasmose não produz sintomas. Entretanto, em determinadas condições, pode resultar em sérias patologias, incluindo hepatite, pneumonia, cegueira e desordens neurológicas severas. Isso é mais verdadeiro para pessoas cujo sistema imunológico esteja muito debilitado, mas também adultos sadios podem produzir sintomas.

A toxoplasmose também passa através da placenta, causando aborto espontâneo ou degenerações físicas e mentais no bebê.

CRIPTOSPORÍDEOS
Cryptosporidium parvum

Os membros do gênero Cryptosporidium são parasitas do trato intestinal de peixes, répteis, pássaros e mamíferos. Eram conhecidas as infecções em animais selvagens e domésticos, mas de alguns anos para cá cresceram de modo gritante as infecções em humanos, incluindo epidemias em várias cidades populosas dos Estados Unidos. Atualmente, a criptosporidíase é reconhecida como importante infecção oportunista, especialmente quando o hospedeiro tem aids.

Criptosporídeo é um parasita mínimo que vive na superfície ou dentro do tecido que reveste internamente o intestino delgado; sua reprodução é assexuada e os oocistos saem nas fezes. A transmissão se dá quando o humano ingere água contaminada (inclusive de piscina) ou comida feita com ela. Uma pessoa infectada é capaz de eliminar pelas fezes até 20 bilhões de oocistos em 24 horas. Cada nova geração de parasitas leva apenas 12 horas para amadurecer, e poucos dias bastam para que o trato intestinal esteja inteiramente colonizado.

A gravidade da infecção varia de acordo com o estado imunológico da pessoa. Na maioria dos pacientes há diarréia moderada, aquosa, de curta duração. Isso muitas vezes não preocupa o hospedeiro, que continua infectado e ignorando o fato. Mas em crianças, idosos e pessoas imunodeficientes o parasita pode causar uma diarréia forte e crônica, acompanhada ou não de perda de peso, cólicas abdominais, náusea, vômitos e febre durante semanas ou meses, o que acaba tendo conseqüências importantes e até mesmo fatais. Ainda não existe tratamento contra a criptosporidiose; a única garantia é um sistema imunológico forte.

COCCÍDEOS
Eimeria e Isospora spp.

Membros desses dois gêneros são conhecidos como coccídeos e infectam animais por todo o mundo. As doenças são chamadas coletivamente de coccidioses, e variam tremendamente em virulência. Algumas espécies de coccídeos produzem sintomas que podem passar despercebidos (por exemplo, diarréia aguda) e eventualmente desaparecem, enquanto outras causam infecções muito violentas que são rápidas e fatais.

O hospedeiro é infectado quando ingere oocistos que saíram das fezes de outro hospedeiro. O cisto se abre no intestino delgado e libera esporozoítos, que penetram nas células das paredes intestinais e se reproduzem assexuadamente, formando múltiplos merozoítos que são liberados das células-mães e infectam novas células. É esse estágio da infecção que pode resultar em destruição maciça de células e levar à morte. Alguns dos merozoítos que entram nas células se transformam em gametócitos e logo em gametas, que se fundem num zigoto que vai virando oocisto; que escapole da célula e sai nas fezes do hospedeiro, para amadurecer e tornar-se infectante em dias ou semanas. Após várias gerações de multiplicação assexuada, o parasita simplesmente pára de se dividir e já não há mais oocistos saindo pelas fezes. O portador está livre da infecção.

O diagnóstico depende de encontrar oocistos nas fazes do hospedeiro.

SARCOCISTOS
Sarcocystis spp.

Há numerosas espécies de Sarcocystis, todas com dois hospedeiros obrigatórios em seus ciclos de vida. S. cruzi, por exemplo, escolhe a vaca como hospedeiro intermediário e um canino como definitivo. O hospedeiro intermediário se infecta ingerindo oocistos que saíram nas fezes do hospedeiro definitivo; no intestino delgado os cistos liberam as larvas, que perfuram a parede intestinal e vão para os tecidos do corpo, onde invadem as células e se reproduzem assexuadamente. As células cheias de parasitas se chamam sarcocistos, e os parasitas dentro são bradizoítos.

Humanos são hospedeiros definitivos de S. hominis e S. suihominis, cujos hospedeiros intermediários são, respectivamente, bovinos e suínos; a infecção acontece quando a carne de boi ou de porco cheia de sarcocistos é mal cozida.

Os sintomas da infecção costumam aparecer no mesmo dia, ou no dia seguinte – cólica, diarréia, náusea, dores e anorexia, e desaparecem dois ou três dias depois.

CLAMÍDIA
Chlamydia trachomatis

Clamídia é um parasita intracelular com muitas características físicas próprias de um vírus. A inflamação da clamídia aparece em todo o sistema geniturinário do homem e da mulher – uretra, vulva, vagina, o útero e seu colo, as trompas e os ovários, a cabeça do pênis, o epidídimo do testículo. Passa por contato genital, inclusive na hora do parto, infectando o bebê através dos olhos ou do nariz e podendo dar pneumonia. Pega mais entre diabéticos e os de saúde mais fraca. Crianças pequenas podem ter otite, laringite ou infecções respiratórias devido a clamídia. Ela prospera no calor, principalmente das roupas de tecidos sintéticos como lycra, poliéster e similares, que não deixam a pele respirar; o calor úmido assanha os parasitas, sejam eles fungos, bactérias, vírus (como o da herpes) ou clamídia. Maiô molhado e roupas justas pouco arejadas, como calças jeans, também são cúmplices.

Olho vivo! Corrimentos, inchaço e secreção anal, vermelhidão na cabeça do pênis ou na entrada da vagina, desconforto genital (especialmente ao urinar), febre, dores abdominais e mal-estar geral são sintomas de clamídia. Se ela não for impedida vai se complicando e pode causar esterilidade nas mulheres e infecções bacterianas importantes nos órgãos pélvicos, genitais e no reto. O tratamento costuma exigir antibióticos.

BALANTÍDEOS
Balantidium coli

É um parasita de muitas espécies de animais, inclusive humanos, que são infectados ingerindo cistos através de comida ou água contaminada por material fecal. Mora no intestino grosso e costuma invadir a mucosa onde houver lesões provocadas por outros organismos, causando séria patologia. Também pode causar infecções fora do intestino. É muito semelhante à Entamoeba hystolitica em vários aspectos.

A transmissão para humanos se dá a partir das fezes do porco – os cistos de B. coli podem contaminar a água, a comida ou as mãos das pessoas. Os sintomas se parecem com os da infecção por amebas: dores abdominais, cólicas, diarréia, falta de apetite, cansaço. Raramente, febre.

O tratamento se resume a matar o balantídeo de fome: como ele só se alimenta de amidos, uma dieta à base de carnes bem cozidas e vegetais não-amiláceos resolve o problema em poucos dias.

livros de sonia hirsch | BLOG | EXTRAS | CONTATO | COMPRAR | HOME